POPUP
AJUDE ESTA OBRA

Como posso ajudar um dependente químico?

Família | 04 de Fevereiro 2019
Como posso ajudar um dependente químico?

O uso de entorpecentes geralmente tem início de forma branda e, justamente por isso, no primeiro estágio de dependência a pessoa não considera ruim o uso das drogas.

Os níveis dos tipos de substâncias utilizadas e/ou a frequência de uso tendem a aumentar, causando a dependência. Isso, motivado pela busca da felicidade, prazer, fuga da realidade, entre outros.

Então, no processo contínuo, de movimento, de mudança do dependente a ser ajudado é preciso, em primeiro lugar, que ele mesmo sinta pelo menos a vontade de abandonar o uso das drogas. Ter o desejo e, em seguida, tomar uma decisão é o que vai verdadeiramente contribuir para a sua transformação de vida.

Há um modelo bastante utilizado de estágios para a mudança, que envolve por exemplo, a pré-contemplação e contemplação (período em que a pessoa tem consciência da necessidade de mudança, mas ainda avalia as vantagens e desvantagens de uma vida nova), bem como a preparação, a verdadeira ação, a manutenção e até as possíveis recaídas. Esse modelo auxilia no tratamento da saúde mental a fim de preparar a pessoa para uma transformação.

Separamos 5 princípios que servem de norte para que haja uma abordagem motivacional positiva nessa caminhada. 

Veja:

• Tenha empatia

Escutar o dependente de forma reflexiva, acolhê-lo e tentar compreender seu ponto de vista é como erguer a mão em sua direção para o auxílio, extremamente importante.

Agir dessa forma não significa uma concordância com suas atitudes, apenas um entendimento, uma verdadeira empatia pelo outro. É bom sempre usar frases como “consigo te entender” ou “pelo seu olhar”, a fim de que a pessoa perceba que você está ao lado dela nesse princípio de transformação, sem julgá-la.

Objetivos

Uma alternativa positiva na abordagem é apresentar possibilidades, perguntar aonde a pessoa deseja chegar na vida, e visualizar junto a ela em qual ponto da caminhada ela está. Dessa forma, ela tende a perceber a discrepância entre o objetivo de vida que ela tem e as atitudes que ela toma para alcançá-los.

Entender qual o melhor trajeto a percorrer para chegar aonde se quer é uma forma de ilustrar e pensar nas metas de vida e comportamento almejados.


Confrontar não ajuda

É preciso muita sensibilidade para lidar com o assunto junto a uma pessoa dependente se você deseja ajudá-la a se libertar do vício. Então, o confronto, a imposição, a abordagem agressiva ou ameaçadora em nada contribui, afinal, ninguém se torna viciado porque quer, geralmente, a pessoa não percebe, não se conscientiza sobre o fato de que algo pode já não estar mais sob seu controle e quando vê, já é uma dependente.

A linha que divide ter algo sob controle ou não é muito tênue, e depois de ultrapassada, a caminhada para a volta ao eixo é morosa e exige calma, paciência e principalmente amor dos que estão ao redor e amor a si mesmo pelo próprio usuário.

É interessante então, que a pessoa seja sempre convidada a pensar sobre o assunto. Perguntas como: “o que você pensa sobre isso”? Ou “que tal pensarmos juntos numa maneira, um plano para iniciar mudanças nos hábitos”? Essa atitude tem grande valor. 

Lide bem com a resistência, ela é esperada

Saiba que a resistência é natural por parte da pessoa que precisa da sua ajuda. Pode ser que ela não aceite ou tenha respostas evasivas para os pontos que você levantar ou sugestões/propostas que você fizer. Neste caso, tenha paciência, compreensão e calma para esperar a decisão de mudar partir do próprio dependente.

Compartilhe ainda assim com a pessoa, informações que possam ajudá-la a considerar outras e novas alternativas.

Por exemplo, se a pessoa utilizar de forma abusiva ou nociva o álcool, traga informações sobre danos pelo consumo de alto risco, as doses consideradas seguras por especialistas, as diferenças de teor alcoólico entre as bebidas. Muni-la de dados até ela perguntar o que pode fazer e como conseguir parar.  Isso te ajudará a obter êxito nesse início de caminhada. 


Agora que você já sabe algumas condutas recomendadas para começar a ajudar um dependente químico a se libertar dos vícios, é hora de colocar em prática, sempre pedindo a unção divina em cada conversa e se fortalecendo em oração.

Deus tem poder de transformar tudo que parece impossível, é preciso confiar e agir.


 
 
Deixe seu comentário
Compartilhe
 
 
 
 
 
MAIS DE Família